top of page
  • Foto do escritorRedação SulTV

Estado e União assinam acordo de cooperação para aprimorar mapeamentos

Parceria beneficia elaboração de políticas para população diretamente atingida pelas enchentes.

Articulação permitirá a troca de dados por meio de arquivos geoespaciais - Foto: Maurício Tonetto/Secom


O governador Eduardo Leite e a ministra da Ciência, Tecnologia e Inovação, Luciana Santos, assinaram nesta sexta-feira (21/6), em Porto Alegre, um acordo de cooperação técnica para compartilhamento de informações. O objetivo é aprimorar os mapeamentos, produzidos pelos governos estadual e federal, das áreas diretamente atingidas por inundações, enxurradas e deslizamentos no Rio Grande do Sul desde o final de abril.

 

Também participaram da assinatura o ministro da Secretaria Extraordinária de Apoio à Reconstrução do RS, Paulo Pimenta, e as titulares das secretarias de Inovação, Ciência e Tecnologia (Sict), Simone Stülp, e de Planejamento, Governança e Gestão (SPGG), Danielle Calazans.

 

A iniciativa faz parte do Plano Rio Grande, que atua em três eixos de enfrentamento aos efeitos das enchentes: ações emergenciais, ações de reconstrução e Rio Grande do Sul do futuro.

 

A articulação, liderada na administração estadual pela SPGG, possibilitará a troca de dados por meio de arquivos geoespaciais gerados a partir de imagens de satélite e dos chamados modelos hidrodinâmicos, que representam o funcionamento dos cursos de água.

 

“A parceria nos permitirá compartilhar, de forma ampla e com maior fluidez, dados fundamentais para que tenhamos políticas públicas efetivas”, disse Leite. “A ciência e a tecnologia nos ajudam a aplicar, da melhor forma, o recurso público, agilizando o processo. Isso nos dá a confiança de que vamos superar logo este momento difícil.”

 

Na prática, o intercâmbio beneficiará a elaboração e a execução, em ambas as esferas de governo, das iniciativas direcionadas ao auxílio da população atingida pelos eventos meteorológicos, bem como na elaboração de políticas públicas com foco na reconstrução resiliente dos espaços.


A ciência e a tecnologia nos ajudam a aplicar, da melhor forma, o recurso público", disse Leite - Foto: Maurício Tonetto/Secom


“Nosso convênio técnico de compartilhamento é um grande avanço. Estamos dando um passo adiante no conceito de que a ciência e a tecnologia existem para cuidar das pessoas, oferecendo soluções a desafios complexos”, destacou a ministra.

 

"A recuperação do Rio Grande do Sul exige a cooperação entre o Estado e a União em diversas frentes. O Executivo gaúcho tem um banco robusto de dados que pode auxiliar as políticas do governo federal, assim como nós podemos refinar ainda mais o trabalho realizado aqui com as informações recebidas", afirmou a secretária Danielle.

 

Inovação nas medidas

 

O uso das imagens de satélite e das informações já contratadas pelo governo do Rio Grande do Sul foi essencial para o trabalho inovador desenvolvido pelas equipes da Subsecretaria de Planejamento da SPGG após a ocorrência dos desastres, auxiliando na execução ágil de medidas de auxílio lançadas pela administração.

 

A destinação de recursos doados por Pix à população é um exemplo dessa inovação. A partir do cruzamento da mancha de inundação com dados de outras fontes – como o Censo Demográfico, o Cadastro Único (CadÚnico) e os registros administrativos de órgãos do Estado –, foi possível identificar o público-alvo e realizar o pagamento sem a necessidade de cadastro pelos beneficiados.

 

A partir do acordo assinado com o ministério, o Estado terá ainda mais fontes para detectar áreas atingidas e realizar recortes específicos da população afetada. Terá, ainda, mais condições para desenhar políticas que embasem a reconstrução em áreas como planejamento urbano e habitação.

 

“Dados mais atualizados é algo extremamente relevante para a construção de políticas públicas. Também será fundamental para o trabalho do Comitê Científico de Adaptação e Resiliência Climática, que integra a estrutura do Plano Rio Grande e será instalado na próxima semana, com a participação de pesquisadores e especialistas em diversas áreas”, explicou a secretária Simone.

 

Texto: Ascom SPGG

Edição: Felipe Borges/Secom

Commentaires


bottom of page