top of page
  • Foto do escritorEduardo Vicente

Mesmo com safra recorde em 2023, agro ainda carece de incentivos do governo

Quase metade de tudo que saiu do país no ano passado veio do agro; foram US$ 166,55 bilhões, com destaque para grãos como soja e milho


Foto: Reprodução Ministério da Agricultura e Pecuária


O produtor de soja de Goiás Leonardo Boaretto comemora o recorde na exportação do agro em 2023. Resultado positivo decorrente ainda da safra de 2022, quando o país produziu a maior quantidade de grãos da história, sobretudo soja e milho. 


“Uma superprodução, um excedente enorme, que fez com que os preços no mercado interno recuassem e o exportador aproveitou para comprar soja e milho baratos.” 


Foram US$ 166,5 bilhões em exportações do agronegócio em 2023, 4,8% a mais que no ano anterior. O que fez com o que o agro fosse responsável por 49% de tudo que saiu do brasil no período — 1,5% a mais que em 2022. Os grãos exportados chegaram a 193 milhões de toneladas. 



Mas outros produtos também ajudaram a fazer com que o Brasil atingisse números tão grandiosos, somando US$ 1 bilhão em vendas externas. A exportação de carnes subiu 5,4%. A de açúcar, 15,1%. Já sucos, frutas e couros e seus produtos subiram 6%, 5,9% e 19,7%, respectivamente. 


Por setor, os que mais contribuíram nas vendas do agronegócio foram: 


Oferta e demanda

A superprodução fez com que os preços internos e externos caíssem. Apesar do grande volume de vendas, os produtores acabaram reduzindo o lucro. Segundo o economista César Bergo, isso desagradou parte do setor. 


“No segundo semestre, principalmente, os preços começaram a cair, levando muitos produtores a vender os produtos abaixo dos preços que eles esperavam. É claro que isso gerou muita reclamação no setor, mas faz parte do jogo econômico, que envolve a famosa lei da oferta e da demanda.” 



O produtor Leonardo Boaretto ressalta que, mesmo com a produção recorde, ainda faltam incentivos do governo para facilitar, por exemplo, o escoamento das mercadorias. 


“Nós precisamos ter urgentemente mais ferrovias, para diminuir o custo do transporte rodoviário. Precisamos melhorar os nossos portos, precisamos ter institutos de pesquisas confiáveis que consigam fazer estimativas precisas da produção nacional. Isso a gente não tem hoje”, reclama.


Além disso, Boaretto cobra a redução de encargos e impostos e, ao mesmo tempo, mais linhas de crédito para financiamento de máquinas e despesas de custeio. Outro ponto de insatisfação é a legislação trabalhista, que foi feita para o trabalhador urbano, mas excluiu o assalariado do campo. 


Cenário que pode melhorar, concordam economista e produtor, com mais investimentos no setor. “É preciso que os produtores tenham acesso às tecnologias, que é de fundamental importância para melhorar não só o desempenho do setor, mas também vai permitir que esse setor alcance mais produtividade e sustentabilidade”, acredita César Bergo.


A projeção do especialista em economia é que, passada a safra recorde do ano passado, a produção de 2024 seja menor, o que pode ser contornado com preços mais atrativos dos insumos agrícolas e pecuários.




Comentarios


bottom of page